Made in Japan Restaurantes Japoneses Hashitag Henshin Mangás JBC AkibaSpace BMA

Nós jogamos The Witcher 3: Wild Hunt!

em 15 de abril de 2015E podemos dizer que é muito f%*@!

Em um evento direcionado para a imprensa a equipe do AKiba teve a oportunidade de testar The Witcher 3: Wild Hunt. A demo continha duas partes do jogo: uma no início, que nos deixava em uma missão relativamente longa, e uma outra missão onde você já está mais forte e em outra parte do mundo do game.

A história se inicia com um sonho de Geralt, o bruxo protagonista do jogo. Nele, Geralt se lembra de um dia como outro qualquer, onde ele estava com outros companheiros bruxos, uma amante e uma aprendiz que ajudava a treinar. Após uma breve conversa, chegamos a uma parte onde podemos escolher fazer um tutorial, ou simples treino livre para nos acostumarmos com os comandos do bruxo.

Ao final desse tutorial, há uma quebra brusca no ritmo do sonho, e então surge uma embarcação e uma sombra que parece ser o inimigo do game. Nessa hora, Geralt acorda e se vê no meio de uma floresta, acompanhado de um dos bruxos de seu devaneio.

Depois de uma breve conversa entre os dois, vemos que nossa principal missão dessa primeira parte que nos deixaram para jogar, é justamente encontrar a amante do bruxo. Essa busca nos leva à uma aldeia que está sofrendo por conta de uma disputa política na região. Durante nossa estada na vila, nos deparamos com diversas sidequests; a que mais chamou atenção foi a que tivemos que matar um grifo que estava atrapalhando a vida dos aldões.

A segunda parte do demo já nos levava a um outro momento da história, onde estamos no meio de uma festa com todos os postulantes ao trono de um certo reino. Essa missão é um pouco mais parada, pois tem mais conversa e investigação, e foi então que o jogo se mostrou bom de fato: ele foi bastante competente tanto na hora da ação, quanto em horas mais calmas.

Dos pontos podemos que podemos classificar como positivos, definitivamente a batalha é um deles. Com uma movimentação bastante solta, a mecânica nos permite atacar, saltar, esquivar e até soltar magia! A ação lhe dá mais e mais vontade de se fortalecer e se sair ainda melhor a cada combate (como todo bom rpg, também há o esquema de level e distribuição de pontos para aumentar seus atributos, melhorando assim o desempenho do seu personagem no decorrer do jogo).

Também não podemos nos esquecer do cenário, que também mostra ter uma grande dedicação durante a produção do jogo e que, combinado à boa trilha sonora, faz com que fiquemos cada vez mais imersos no jogo.

Outro importante item que podemos notar em meio às conversas com os personagens do jogo, é que dependendo do tom das suas respostas, você pode ser visto como alguém querido, ou apenas como um viajante solitário. Aparentemente isso causa diferenças bem interessantes, no decorrer do jogo.

The Witcher 3: Wild Hunt é um jogo de RPG/Ação ótimo e, se o gênero agrada a você, jogador, pode comprar sem medo. Com cenários muito bem trabalhados, uma história cativante e um sistema de batalha dinâmico, o jogo tem tudo para ser uma das melhores apostas nesse início de nova geração de consoles (Play 4 e XBox One), sem contar que também chega para PC.

The Witcher 3: Wild Hunt

Plataforma: PS4, Xbox One e PCDesenvolvedor: CD Projekt RED Estúdios: CD Projekt Sp. z o.o., Bandai Namco Entertainment Gênero: RPG, ação, medieval Lançamento: 19/05/2015

Caique Guirao

Publicitário, faixa preta em Karatê, quase preta em Wing Chun, grande fã de Star Wars, Zelda e Assassin's Creed, e apaixonado por música.

site twitter

Assine a nossa newsletter e receba as dicas e novidades do universo geek. A inscrição é gratuita!


Notícias Relacionadas

Mangás JBC